Planejamento

Tudo o que você precisa saber sobre capital de giro

Em suma, capital de giro são todos os recursos financeiros necessários para que a empresa se mantenha operando regularmente. Nesse post você aprende a calcular e garantir que esse recurso seja suficiente.

Criado 29/07/22         

o que é capital de giro

O que é capital de giro?

Primeiramente, é importante ressaltar que essa reserva é independente de possíveis lucros ou de outras fontes de renda da empresa. Afinal, o capital de giro é uma reserva de dinheiro que toda empresa deve ter para arcar com suas despesas ao longo do tempo. Isso vale desde os custos para abrir a empresa, quanto para pagar contas, fazer reformas etc. Ou seja, é com esse capital que a empresa deve cobrir parte das despesas fixas e pontuais. Em outras palavras, tais recursos devem estar no estoque da companhia, seja em caixa, no banco ou nas contas a receber.

Tipos de capital de giro

Capital de giro negativo: em geral significa que a empresa gasta mais do que ganha. O que não quer dizer que a empresa esteja necessariamente em risco. Eventualmente, no início do empreendimento, é natural que os investimentos sejam maiores que os ganhos. Com uma boa administração esse quadro tende a melhorar.

Capital de giro positivo: ao contrário do cenário anterior, aqui a empresa gasta menos do que recebe. Ou seja, significa que ela está pagando suas despesas naturalmente, indicando uma alta constante ou que seus resultados são estáveis.

Capital de giro neutro: significa que os recursos disponíveis e os débitos existentes são iguais. Nesse sentido é preciso se atentar e traçar planos para começar a gerar mais capital.

Associado a investimentos: o principal objetivo desse capital é cobrir os investimentos que a empresa faz. Por exemplo, um financiamento para adquirir equipamentos ou melhoria em maquinários.

Capital de giro líquido: são os recursos financeiros circulantes da empresa. Recursos não circulantes que não entram nesta listagem são aqueles que não sofrem liquidez como bens e imóveis.

Porque é necessário na minha empresa?

A princípio, abrir uma empresa pode parecer simplesmente investir nas ferramentas, no estoque inicial e posteriormente usar o lucro para reinvestir. Porém, na prática os recebimentos não são tão pontuais. Além da possível inadimplência dos clientes, é preciso considerar a variação no custo dos produtos e as vendas parceladas onde a empresa não recebe imediatamente. 

Nesse meio tempo, é preciso ter uma reserva financeira que seja suficiente para cobrir todas as despesas e gerenciar o fluxo de caixa. Também há a questão da sazonalidade, já que a depender do ramo de atuação, os rendimentos podem aumentar em determinada época do ano e cair de maneira considerável em outra. Assim, o capital de giro é de onde você vai tirar recursos enquanto os pagamentos não forem feitos ou estiverem abaixo do esperado.

Além disso, outros imprevistos que afetam a saúde financeira da sua empresa podem ser suprimidos com esse capital. Tais como crise econômica e oscilação dos mercados.

Por quanto tempo ele deve se sustentar?

É indicado que o capital de giro seja suficiente para aproximadamente 6 meses. Dessa forma, no pior dos cenários, bastaria para cobrir a compra de insumos, fornecedores, salários de funcionários, entre outros por tempo estratégico. Nesse sentido, o empresário tem uma margem de segurança para lidar com momentos de emergência e tempo de traçar estratégias que minimizem e até revertam as perdas.

Como fazer o cálculo para esse período?

Antes de mais nada, conheça todas as despesas mensais da sua empresa e some todos os gastos fixos. A partir disso o cálculo é simples, basta multiplicar pelo tempo necessário – nesse caso, 6 meses.

Por exemplo, considerando despesas mensais em torno de R$150 mil teríamos esse cálculo:

capital de giro = R$150.000 x 6
capital de giro = R$900.000.

Sob o mesmo ponto de vista, quanto maior seu capital de giro, mais tempo ele será capaz de manter a segurança da empresa.

Quais os primeiros passos para ter capital de giro?

Definitivamente, o ponto mais difícil do capital de giro é levantar esse fundo. Isso exige tempo e um bom planejamento. Mas é importante ter em mente que o tempo em que sua empresa fica sem capital de giro também é o tempo pelo qual ela estará vulnerável.

A princípio falaremos de algumas estratégias que agilizam o processo de obter e ampliar esse montante. O empréstimo empresarial pode ser bastante interessante no início do negócio já que os gastos costumam ser maiores que as receitas. Porém é importante analisar se vale a pena arriscar nessa forma de crédito para não acabar endividando sua empresa.

Todavia essa não é a única maneira de obter capital. Se o início da empresa for planejado com antecedência, a criação de uma reserva de emergência é a alternativa mais viável.

Como manter esse capital ativo?

Ao passo que a empresa evolui, o capital de giro continua sendo necessário. É interessante manter uma quantia em caixa para que no caso de imprevistos a empresa ainda consiga cumprir com todas as obrigações. Essa é uma ferramenta importante de controle e avaliação financeira de seu CNPJ. Por isso, preste atenção nessas estratégias para manutenção do capital de giro.

Faça um planejamento estratégico

A partir de um bom plano de ação, a sua empresa terá um fluxo de caixa equilibrado e menos imprevistos. O que permite que a sua empresa pague as contas em dia, compreenda melhor a demanda dos clientes e até invista os recursos em outras áreas.

Para garantir um bom planejamento siga esses 4 passos:

  1. Planeje os gastos futuros;
  2. Registre todas as entradas e saídas;
  3. Otimize  processos e reduza custos;
  4. Especifique os objetivos de longo, médio e curto prazo e as estratégias para alcançá-los.

Negocie com os fornecedores

Quanto maiores os prazos para pagar seus fornecedores, mais tempo sua empresa tem para organizar o caixa. Para isso, é importante construir um bom relacionamento com eles que gere confiança. Além disso, defina os prazos dos fornecedores após as datas de pagamentos dos clientes para que não ocorram atrasos. Mesmo que haja imprevistos, não permita que o pagamento ultrapasse a data de vencimento. Ao invés disso, negocie o valor e não tenha medo de oferecer um acordo justo para as partes.

Controle o seu estoque

Em primeiro lugar, entenda como as suas vendas funcionam e como a sazonalidade atinge seu negócio para definir as quantidades de compra. Posteriormente, pense em estratégias de promoções e redução de preços para não ficar com estoque parado e comprometer seu capital de giro.

As aquisições podem ser feitas a prazo, mas mesmo nessas condições o controle de estoque precisa estar em dia. Isso permite adequar as obrigações futuras de acordo com capital e o fluxo projetado.

Mantenha um bom fluxo de caixa

Além de controlar os números em movimento, o fluxo de caixa também deve projetar as contas a pagar, receber e saldos disponíveis em curto e longo prazos. Assim, é possível saber quais são os valores que influenciarão no capital de giro e se é necessário realizar alguma mudança para manter as finanças saudáveis. Esse fluxo está diretamente ligado à sustentabilidade financeira da empresa, já que engloba os recebimentos e as obrigações.

Em contrapartida, os itens mais baratos devem ser pagos de imediato para não comprometer o orçamento dos próximos meses.

Tenha um sistema de cobrança eficiente

Eventualmente, a sua empresa deve se deparar com clientes inadimplentes. Como mencionado acima, o capital de giro também deve cobrir essa possibilidade uma vez que quanto mais devedores, mais se tira das reservas. Nesse sentido, ter um setor de cobranças é uma boa estratégia para garantir o máximo de recebimentos e diminuir os riscos de prejuízo. 

Aqui no blog da Solução Financeira estamos sempre trazendo conhecimentos que te ajudam a organizar suas finanças pessoais e empresariais. Confira outros textos e continue acompanhando nossas postagens para melhor gerenciar seu dinheiro e ficar longe da inadimplência. Até a próxima!

Posts relacionados

Solução Financeira – CNPJ: 23.847.868/0001-27